A Gravidade Não é Uma Força?

Ao contrário do que a linguagem utilizada pela física introdutória costuma dizer, por questões de aprendizado, a gravidade na verdade deforma o espaço-tempo, fazendo com que objetos sigam uma curvatura criada. Qualquer corpo, até mesmo um átomo, distorce o espaço em seu entorno, porém quanto maior a massa desse corpo, mais energia temos e assim sendo, maior é a distorção causada por ele, lembrando que a densidade também é outro fator determinante na equação.

Representação da malha espaço-tempo e as deformações causadas pela Terra e a Lua.

Por exemplo, a Terra distorce ligeiramente o espaço ao seu redor, isso Einstein observou há exatos 100 anos, muito antes de existir a tecnologia necessária para observamos esse fenômeno. Há também o fato de a rotação dos corpos ajudarem nessa distorção, analogicamente podemos imaginar como se a Terra estivesse submersa em mel. À medida que o planeta gira, o mel ao seu redor formaria um redemoinho, ocorre o mesmo com o tempo e o espaço.

Portanto gravidade não é uma força. Porém, como é possível uma influência que move e atrai objetos não ser considerada uma força? Isso porque a gravidade não “puxa”, ela “acelera”. Assim como um carro percorre uma estrada cheia de curvas, objetos viajam por elas no espaço-tempo. E, assim como um carro acelera, objetos maciços criam curvas extremas no espaço-tempo, e a gravidade é capaz de acelerar corpos que entram (ou se aproximam) de poços de gravidade profundas.

Tal caminho é chamado de “curva geodésica”. Uma geodésica é o caminho mais curto entre dois pontos numa determinada geometria e é exatamente a trajetória que um objeto segue no espaço-tempo curvo quando em queda livre, ou seja, livre da ação de forças externas.

O exemplo mais fácil de observarmos para entender a gravidade e sua capacidade de acelerar objetos, e o exemplo do sistema Terra-Lua. Nosso planeta é um corpo celeste muito mais maciço em comparação a Lua. Assim, a Terra provoca uma curva acentuada no espaço-tempo. A Lua orbita em torno do nosso planeta, justamente por conta das deformações no espaço-tempo que são causadas pela massa da Terra. Finalmente, podemos dizer que a Lua viaja pela curva sem sentir qualquer força a perturbando. Não se trata de um impulso ou empuxo, e sim um caminho trilhado pela distorção existente.

Pode ser que surja a seguinte pergunta: “Mas, por que nem todos os asteroides e os meteoritos que passam próximos a órbita da Terra, não são incorporados?” Isto depende de muitos fatores, como velocidade, trajetória e a massa dos respectivos objetos. Fazendo com que muitos passem direto da Terra sem ao menos sentir qualquer perturbação.

Agora pense numa coisa curiosa, as equações de Einstein para o campo gravitacional admitem solução, mesmo na ausência total de matéria e energia! Será que têm algo errado com a Teoria da Relatividade Geral de Einstein?

Um pouco mais sobre:

Uma visão do espaço na mecânica Newtoniana e na Teoria da Relatividade de Einstein: Scielo

A história das teorias da gravidade, desde Newton: Crítica na Rede

Anúncios

2 comentários sobre “A Gravidade Não é Uma Força?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s