Tipos de Evidências Na Nossa Vida

Para começar, um rápido aviso: Se você é religioso, ou espiritualizado e afins, caso não goste de qualquer afrontamento as suas crenças, por mínimo que seja, fique avisado, posso acabar não sendo muito agradável com este texto.

Pois bem, sem mais delongas, vamos aos diferentes tipos de evidência, são elas:

A anedótica, a empírica e a científica

Iniciando por talvez a mais problemática no meu ver, a evidência anedótica. Esta é aquela que é contada por alguém, uma experiência muitas vezes única, seja ela extraordinária ou não. Exemplos disso podem ser as abduções, sensação de viagem astral, observação de algum ser críptico (lendário) ou o mais famoso de todos, que é aquela sensação de presença de alguém ou de estar sendo observado.

Qualquer um desses exemplos ou outros semelhantes, não são, e não podem! Repetindo, não podem ser dados como verdade, exatamente pelo simples fato de que, na grande maioria dos casos não se consegue reproduzir nem testar. Apesar de mesmo que muitas pessoas digam ter avistado a virgem Maria, muitíssimas vezes ao longo da história, ainda acabamos esbarrando numa coisa chamada falseabilidade.

Ok, mas o que é essa falseabilidade? Esta nada mais é que, uma das bases para a ciência, foi inicialmente proposta, por Karl Popper em 1930. Trata-se da ideia de que para uma asserção ser refutável ou falseável, é necessário que haja pelo menos um experimento ou observação factível, que desse modo acabe fornecendo determinado resultado, pode implicar na falsidade ou validação da asserção. Por exemplo, a asserção “todos os corvos são pretos”, poderia ser falseada pela observação de um corvo vermelho.

Portanto, uma evidência anedótica, acaba se invalidando, já que na grande maioria das vezes, não passam nesse tipo de avaliação. “Eu vi e escutei um pato rosa que fala, de noite, no meio do mato. Como provarei isso?”, é apenas outro exemplo.

Agora chegamos na parte mais interessante com relação a evidência anedótica: Por que têm gente que acredita? Bom, pode ser que alguma das pessoas que eu conte o meu relato, já tenham visto algo estranho pelas redondezas também, e como ela precisa e quer uma explicação, acaba assimilando aquilo como verdade dizendo: “Pois é, não é que você tem razão!”

Evidente que possa existir outros vários fatores que viabilizem a pessoa a acreditar e ou assimilar algo como verdade. Ela pode ser alguém muito impressionável, que se apega a qualquer explicação que possa lhe satisfazer, já que é uma explicação muito mais fácil e pronta.

Vamos para a evidência empírica agora, está por sua vez é aquela que se dá por meio da experiência vivida e não necessariamente lógica e racional. Pode-se até dizer que fica no intermédio, entre a anedótica e a científica. Se caracteriza por se ater as vivencias do dia a dia, não é algo imediatamente crível, exatamente por se basear em repetições, que ao longo do tempo vão corroborando e firmando algum fato, que anteriormente poderia ser até mesmo uma anedótica, que com o passar das constantes verificações acaba-se entendo como plausível.

Porém esse ainda não é o tipo definitivo de informação que podemos aceitar sem qualquer questionamento. O que nos leva a comprovação científica de um determinados eventos, esta tal evidência científica, é tudo aquilo que pode ser usado para corroborar que uma determinada afirmação, é verdadeira ou falsa.

Uma evidência científica é o conjunto de elementos utilizados para suportar a confirmação ou a negação de uma determinada teoria, hipótese científica ou mesmo uma evidencia empírica. Para que haja uma evidência científica é necessário que exista uma pesquisa realizada dentro dos preceitos científicos, sendo que a mesma dever ser passível de repetição por outros cientistas em locais diferentes daquele onde foi realizada originalmente. Sendo assim a evidência definitiva para qualquer questão que surja.

Juntando essas ideias todas abordadas acima, podemos concluir que acreditar na ciência é muito mais fácil para umas pessoas do que para outras. E é exatamente nesse âmbito, e que iniciasse as ideias e forma de pensar de uma pessoa cética ou ateia. Há pessoa que não acreditam em nada a não ser em crenças, religiões ou ditos populares, claro que ao longo do tempo isso se torna cada vez mais raro. Há também pessoas que só acreditam na ciência e em estudos comprovados, sendo deveras céticas sempre questionando as coisas. E não se esquecendo da outra parcela de pessoas, que considero a grande maioria atualmente, essas pessoas que estão entre os dois extremos. Talvez um exemplo bem fiel, seria um biólogo formado, que estudou, aprova e afirma tudo condizente com a teoria da evolução, mas tem o seu lado espiritual, crendo que apesar da evolução, existe um criador.

Para finalizar deixo aqui uma enquete, participe e vamos ver como ficará, até a próxima.

Mais Informações:

Outros detalhes a mais sobre a falseabilidade: Canal do Pirula

Ótimo vídeo sobre memórias falsas: Canal do Pirula

Coisas estranhas que as pessoas acreditam: Blog da Lisiane Pohlmann

Anúncios

Um comentário sobre “Tipos de Evidências Na Nossa Vida

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s